Siga o mnh: 
  • Facebook B&W
  • Instagram B&W
 sobre o mnh: 

 

Resenhas críticas, artigos e dicas de filmes de Horror: tudo isso sob a perspectiva feminista, com o objetivo de debater a importância das mulheres no gênero, tanto atrás quanto em frente às câmeras, exaltando personagens femininas fortes e mulheres realizadoras de Horror no audiovisual.

FILM LIKE A GIRL!

 POSTS recentes: 
Please reload

 procurar por TAGS: 

10 filmes de vampiros dirigidos por mulheres

24.08.2017

O vampiro é um elemento folclórico conhecido por se alimentar do sangue de humanos. Há milênios existem lendas sobre eles, desde a Mesopotâmia, com o ekimmu, ou edimmu, a Lilitu babilônica que originou Lilith, na religião hebraica e os os alukah, também hebreus, os vetalas hindus, empusa, lamia e striga dos gregos e a strix romana. O vampiro folclórico não é nada aristocrático como os vampiros de Bram Stoker e Anne Rice. São sempre bruxas, demônios, criaturas monstruosas ou espíritos malignos que bebiam sangue ou comiam a carne dos humanos. Posteriormente, na era medieval, surgem figuras bebedoras de sangue que servem de base para a evolução do folclore vampírico, que se estabeleceu como conhecemos hoje no século 18.

 

Com a figura de Drácula, o vampiro ganhou mais notoriedade e uma nova roupagem. Representando tanto o conservadorismo e tradicionalismo, na figura do vampiro, que parou no tempo enquanto, ao seu redor, a indústria floresce quanto o horror que os ingleses vitorianos sentiam de uma invasão ao seu território e o medo da emancipação das mulheres. Drácula é assunto para muitas discussões, e Bram Stoker criou uma obra extremamente rica e complexa ao mesclar a vida real do príncipe da Valáquia, Vlad Țepeș a elementos do livro Carmilla, do irlandês Sheridan LeFanu, e a história de Elizabeth Bathory, sobrinha-neta de Țepeș, e também elementos próprios do folclore, principalmente eslavo.

 

Nessa lista, vamos falar de alguns dos filmes que tratam desses seres, ao mesmo tempo assustadores, sensuais e carismáticos. Como existem pouquíssimos filmes desse subgênero do horror dirigidos por mulheres, vamos citar os 10 existentes.

10. Relação Mortal (The Moth Diaries – 2011) 

 Direção: Mary Harron

 

Rebecca é uma adolescente que passa a viver num internato após o suicídio de seu pai. Com a ajuda de Lucy, sua melhor amiga, e das outras meninas que conhece na escola, Rebecca logo se recupera, porém a chegada de Ernessa muda esse cenário. Lucy se torna distante de Rebecca, preferindo andar em companhia de Ernessa. Coisas estranhas começam a acontecer na escola em torno de Ernessa, mas poucos desconfiam que haja algo de errado com a garota.

9. Blood & Donuts (1995)

 Direção: Holly Dale

 

O vampiro Boya dormia há 25 anos num porão, e é acordado por uma bola de golfe. Ele, então, resolve ir ao cemitério para recolher suas coisas e conhece Earl, um taxista que acaba virando seu amigo e é apaixonado por Molly, uma jovem que trabalha numa loja de donuts. Mas Molly, quando conhece Boya, se apaixona por ele. Além disso, Earl está envolvido com alguns criminosos locais e Boya acaba por protegê-lo. O filme conta com David Cronenberg no papel de chefe dessa gangue.

8. Buffy (1992)

 Direção: Fran Rubel Kuzui

 

“Em toda geração nasce uma Escolhida, uma garota no mundo todo. Ela deverá sozinha usar sua força e coragem para deter os vampiros, demônios e todas as forças das trevas. Ela é a Caça-Vampiros.”

 

Buffy Summers dispensa apresentações. Nesse filme de 1992, somos apresentados à jovem e popular cheerleader que descobre ser a escolhida para caçar vampiros. Cinco anos depois, em 1997, ganhou seu próprio seriado e universo expandido mas, diferente da série, o filme tem uma veia mais leve, puxada para a comédia sessão-da-tarde do que a vibe dark do seriado.

7. Garota Infernal (Jennifer’s Body – 2009)

 Direção: Karyn Kusama; Escrito por Diablo Cody

 

Jennifer é uma estudante de high school, cheerleader, popular e sensual. Quando a banda de Nikolai Wolf chega à Devil's Kettle, Jennifer vai com sua melhor amiga, e fofa e nerd Anitta, ao show dos rapazes e acaba se envolvendo em um ritual dos membros da banda, que queriam conseguir, com isso, um contrato com uma gravadora. Só que o ritual dá errado pois eles precisavam de uma garota virgem e Jennifer é possuída por um demônio e se torna uma Súcubo, que seduz os rapazes para depois os devorar.

6. A Visit From the Incubus (2001)

 Direção: Anna Biller

 

Lucy (Anna Biller) é uma jovem que vive no Oeste dos Estados Unidos durante a era Vitoriana que passa a receber a visita de um Incubo. Lucy passa a trabalhar como cantora no bar local, e o Incubo a segue até lá.

O filme completo você pode assistir aqui.

5. Velvet Vampire (1971)

 Direção: Stephanie Rothman

 

A misteriosa Diane LeFanu (em uma clara referência à Sheridan LeFanu, autor de Carmilla) conhece o casal composto por Lee Ritter e Susan, e os convida a visitá-la em sua casa, no meio do deserto (oi?), porém coisas estranhas começam a acontecer e Diane passa a apresentar um comportamento suspeito, sem que Lee e Susan se deem conta.

4. O Rastro do Vampiro (Blood Bath – 1966)

 Direção: Stephanie Rothman e Jack Hill

 

Após brigar com seu namorado, Daisy para em frente a uma galeria de arte para admirar as pinturas, e conhece Antonio Sordi, o artista por trás das telas. Sordi a convence a posar para um de seus quadros e a leva para seu estúdio, que fica na torre do sino da igreja local.

Antonio acredita ser a reencarnação de seu antepassado Erno Sordi, um vampiro que foi denunciado por sua amada, Melizza, uma bruxa que denunciou Sordi para as autoridades eclesiásticas afim de se proteger da acusação de bruxaria.

Sordi se apaixona pela bailarina Dorian, ex colega de quarto de Daisy, que ele acredita ser a reencarnação de sua amada Melizza.

3. Quando Chega a Escuridão (Near Dark – 1987)

 Direção: Kathryn Bigelow

 

Caleb conhece a vampira Mae. Enquanto davam uns amassos, Mae morde Caleb e em seguida foge. O sol nasce e a pele de Caleb, exposto ao sol, começar a soltar fumaça. Mae volta com seu grupo de vampiros errantes, sequestra Caleb, e o mantém sob a condição de que ele deve se adaptar para ganhar a confiança do grupo, mas Caleb se recusa a matar para se alimentar, então Mae mata por ele.

2. O Beijo do Vampiro (Kiss of the Damned – 2012)

 Direção: Alexandra Cassavetes

 

Djuna é uma vampira solitária que vive em uma bela casa de campo, projetada por sua amiga Xania, uma atriz que também é vampira. Ao conhecer e se apaixonar por Paolo, decide mostrar a ele quem ela realmente é. Djuna transforma Paolo e o insere à sociedade vampírica local. Porém, a chegada de sua irmã, Mimi, desestabiliza o delicado equilíbrio em que vivem os membros dessa sociedade.

1. Garota Sombria Caminha Pela Noite (A Girl Walks Home Alone At Night – 2014)

 Direção: Ana Lily Amirpour

 

Em Bad City, uma cidade que exala decadência e vício, o jovem Arash vive com seu pai Hossein, um dependente de drogas que passa a ser perseguido pelo traficante local, para quem deve dinheiro.

Nesse cenário surge uma vampira, que passa a perseguir os piores tipos existentes na cidade – traficantes e cafetões, basicamente, homens que tratam mulheres como simples objetos. Em certo momento, a “Garota Sombria” (nome pelo qual conhecemos a vampira, já que seu nome não é citado durante o filme) conhece Arash e os dois iniciam um romance.

Garota Sombria Caminha Pela Noite é um bom mix de western com noir e terror. É em preto e branco e a cidade fictícia se localiza no Irã, além do idioma do filme ser o persa, porém ele foi rodado nos EUA.

Menção honrosa:

A Condessa (The Countess – 2009)

 Direção: Julie Delply

 

Erzsébet Báthory, condessa húngara que viveu entre os séculos XVI e início do século XVII que se tornou parte do folclore do Leste Europeu ao ser acusada de assassinar jovens e tomar banho em seu sangue a fim de se manter jovem. O número oficial de moças assassinadas por Bathory é discutível, porém gira em torno de 650, um número bastante alto considerando-se o período em que viveu, em que a Europa ainda se recuperava da Peste Negra, que não ainda não havia sido erradicada em todo o continente, e contava com uma população em crescimento.

 

Em A Condessa, Julie Delply conta outra versão de Elizabeth, uma mulher de origem nobre que é criada para aceitar a crueldade. Ainda jovem, ela engravida de um camponês e sua família mata o rapaz, obrigando Elizabeth a assistir. Já mais velha, ela se casa com o conde Franz Nádasdy, que morre logo após retornar das Guerras Otoman-Húngaras, deixando-a sozinha com três filhos e responsável por administrar o castelo. Ela, então, se apaixona por István Thurzó, o filho do conde György Thurzó, mas este força seu filho a se casar com a filha de um rico comerciante dinamarquês, e Elizabeth acredita que István a rejeitou por causa da diferença de idade entre eles e assim começa sua obsessão pela juventude, e após espancar uma jovem criada e seu sangue espirrar na condessa, ela acredita que o local onde o sangue espirrou rejuvenesceu, e começa a assassinar moças para tomar banho em seu sangue.

 

A perspectiva de Delply, que mostra o interesse do conde Thurzó em herdar a propriedade de Elizabeth, é bastante interessante, pois toda a aura que se criou em torno de Elizabeth sempre é focada em suas atrocidades.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook B&W
  • Instagram B&W
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now